Atualidade do Pensamento Espírita

"Caminhando de par com o progresso, o Espiritismo jamais será ultrapassado, porque, se novas descobertas lhe demonstrassem estar em erro acerca de um ponto qualquer, ele se modificará nesse ponto. Se uma verdade nova se revelar, ele a aceitará. "

 

(A Gênese, cap. I — Caráter da Revelação Espírita. Item 55. Allan Kardec. 2ª edição da FEB.)

 

 

Face ás incomparáveis conquistas da ciência e da tecnologia que se apresentam nos tempos modernos, o homem contempla o firmamento e detém-se ante a magnitude das galáxias, que a própria imaginação tem dificuldade de compreender, mantendo-se deslumbrado ante a glória do Macrocosmo. Voltando-se para o reino das micropartículas, comove-se, reflexionando a respeito da matéria decompondo-se em energia e essa retomando a forma incessantemente. Examinando um feixe de luz, o vê constituído de partículas e ondas que o enternecem, realizando um verdadeiro milagre no campo das combinações dos elementos básicos do Universo.

Esse ininterrupto fenômeno pulsante que desvela a vida, concita-o a mergulhar o pensamento na Grande Realidade que é Deus, o legítimo Programador de tudo quanto existe.

Sente-se, então, inevitavelmente impulsionado á crença religiosa pela razão, diante da impossibilidade de tudo reduzir ao caos do princípio sem origem ou do nada absurdo.

Existindo, entende que o nada deixa de ter sentido e desaparece das suas reflexões filosóficas. Enriquece-se de esperanças e procura mergulhar em uma doutrina que possua conteúdos científicos, de forma a interpretar a glória do Universo, marchando com as conquistas que fascinam a inteligência e enternecem o sentimento.

Tal doutrina, tem-na o Espiritismo, que avança com o gigantismo das observações humanas, sem deter-se ou alterar-se ante a marcha do progresso. Pelo contrário, oferece resposta às interrogações que pairam perturbadoramente naqueles que se embrenham pelos labirintos da investigação, e sentem-se sem o reforço da crença religiosa, única que lhe pode oferecer segurança emocional para compreender a Causalidade absoluta de onde tudo procede.

O Espiritismo é, portanto, a ponte que une a ciência à religião e reciprocamente, facultando o ininterrupto crescer do conhecimento lógico sem o deperecimento dos valores ético-morais disso decorrentes.

Fundamentando toda a sua moral na ensinada e vivida por Jesus, o Espiritismo propicia o encontro da criatura com o seu Criador, e elucida os enigma do ser, da sua evolução e progresso, do seu passado e do seu futuro, apontando os rumos superiores que serão alcançados pela tenacidade de todos quantos se empenharam pela conquista do Infinito.

Com a Doutrina Espírita desaparecem os enigmas da fé dogmática e surge aquela que tem por fundamento os fatos capazes de serem encontrados em todas as épocas e povos da humanidade.

Graças à sua contribuição, o indivíduo se faz mais digno e compreende facilmente a justiça de Deus que o orienta e conduz à elevação moral, pontificando na permanente autotransformação para melhor e autoiluminação, de forma que se identifique cada vez mais com a Fonte Geradora de vida.

À medida que a Ciência realiza novos descobrimentos, longe de sombrear ou abalar os alicerces do Espiritismo, mais o confirma, porquanto, em realidade, nada se descobre que já não existisse anteriormente e que somente permanecia ignorado, sendo, portanto, uma realidade constitutiva das leis de Deus, que aceita como necessários ao aprimoramento do ser humano.

À medida que a Física newtoniana ou linear se direcionou para a elevada expressão de natureza quântica, mais se tornou factível o entendimento da realidade espiritual do ser, da mesma forma que a Biologia celular, ao marchar no rumo da molecular, facultou mais ampla compreensão dos mecanismos das células, especialmente dos neuropeptídeos e de outros elementos que os constituem, fazendo parte dos equipamentos vitais da existência física. Por outro lado, os avanços sobre a interpretação do Cosmo, graças á valiosa contribuição dos telescópios colocados em foguetes que saíram da Terra, e em particular, do Hubble, conseguindo melhor caracterizar os buracos negros, fotografar o nascimento e a morte de galáxias, ocorridos há milênios, e dantes jamais sonhados, a astrofísica concebe a possibilidade da existência de outros universos relativos e finitos, demonstrando a eterna criação por parte da Realidade Absoluta.

Ademais, a Psicologia e as diferentes ciências da alma, penetrando a sua sonda de investigação no homem integral, defronta-lhe o Espírito imortal, assim explicando, racional e logicamente, as matrizes ande se encontram os fatores que propiciam as heranças genéticas, que preponderam em inúmeras psicopatologias, sem o que, várias terapias permaneceriam inócuas, quando não mais perturbadoras para aqueles que sofrem distúrbios psíquicos, emocionais e comportamentais, como também outros de natureza orgânica. Trata-se do encontro técnico com a anterioridade do Espírito — sua imortalidade e reencarnação - que se lhe torna chave preciosa para compreender as ocorrências do processo da evolução mediante a justiça incomparável do Amor.

Mediante o conhecimento do perispírito, das suas propriedades, dos fluidos que o constituem, assim como da organização fisiológica da alma, que deixa de apresentar-se como algo intangível, imaginativo, para adquirir a sua legítima realidade, como um ser portador de peso específico, com individualidade delineada, assumindo inúmeras personalidades durante o périplo do seu crescimento, pode-se decifrar os perturbadores fenômenos paranormais, nas áreas anímica e mediúnica, que Ihe comprovam a sobrevivência à morte e Ihe demonstram o nível de evolução em que estagia, assim destruindo o maravilhoso, o sobrenatural, o misterioso, dos tempos passados em torno da sua realidade, que são do agrado das mentes infantis, veementemente combatidos pelo senso cultural e acadêmico.

Todos os fatos estudados pelo Espiritismo repousam nas leis naturais, de maneira alguma entrando em choque com os processos de investigação realizados pela Ciência, com a diferença que essa foi elaborada a pouco e pouco através dos milênios, graças a ininterruptas observações, correções, ampliações, enquanto que o Espiritismo, em menos de dois lustros ofereceu as respostas hábeis que o tornaram compatível com esse extraordinário cabedal consagrado pelos séculos, que é o conhecimento científico.

O conceito de liberdade, ambicionado por todas as criaturas nos diferentes períodos da humanidade, encontra no Espiritismo, o seu mais compensador desdobramento, por ser facultado a todo Espírito, criado simples e ignorante, utilizar-se dessa concessão, tornando-se ditoso ou desventurado, conforme Ihe aprouver, sem, no entanto, deixar de alcançar a felicidade que lhe está reservada, mesmo que através do esforço que lhe é imposto pela responsabilidade que vige na sua consciência.

Ser livre, de maneira alguma é apresentar-se como inconsequente ou libertino, desejando experienciar comportamentos agressivos e desrespeitosos aos direitos alheios e à Vida.

O indivíduo cresce inevitavelmente dentro de padrões de elevação moral, que se encontram adrede estabelecidos, e de que não se pode furtar. Desse modo, deixa de ser máquina com fatalidade final estabelecida na consumpção orgânica, para tornar-se autor dos valores que conquista a pouco e pouco, empenhado no afã da busca de realização total.

Tendo ingerência em todos os ramos do Conhecimento — desde que o Espiritismo estuda as causas, enquanto a Ciência investiga os efeitos, conforme acentuou o Codificador Allan Kardec — nunca se detém, porque penetra a sonda das suas investigações nas matrizes vitais do ser, onde dormem ou vigilam as ocorrências de ontem, de hoje e de amanhã, conclamando ao intelecto-moral incessante.

Porque é doutrina dos Espíritos codificada pelo homem não permanece estanque, em razão do processo reencarnatório que traz de volta os missionários da verdade, a fim de que o progresso inestancável prossiga favorecendo a humanidade com os recursos preciosos para o autoencontro e a possibilidade de desfrutar dos anelos de paz e de júbilo que Ihe estão destinados.

Não pertence a ninguém, sendo luz que verte do Alto na direção da Terra, desalgemando aqueles que se encontravam ergastulados nos instintos primitivos e contemplavam as estrelas com profunda melancolia e interrogações dolorosas.

Sempre atual, o Espiritismo avança com as admiráveis conquistas do pensamento, que faculta melhor entender-lhe as leis e aplicá-las, tornando a existência terrena mais agradável, propiciatória de harmonia e de objetivos sempre mais nobres, à medida que são conquistados, gerando estímulos para mais avançados esforços.

Jamais ultrapassado, estará sempre à frente do progresso, embora de maneira sutil, que será melhor identificado quanto maior for o seu labor de penetração no complexo mecanismo do ser e da vida.

Atendendo à sugestão de dedicados estudiosos de diferentes áreas do Conhecimento terrestre, no atual estágio de algumas Ciências, procuramos oferecer respostas compatíveis com as questões que nos foram apresentadas, recorrendo, algumas vezes, a Nobres Entidades que nos orientam o destino, de modo a não defraudar a confiança que nos foi concedida e que reconhecemos não merecer.

Buscamos proporcionar raciocínios simples e desataviados, sem as complexidades da linguagem com que se expressam os técnicos nos seus diferentes campos, de forma que o nosso trabalho possa ser entendido por todos e não exclusivamente por aqueles que nos honraram com os questionamentos com os quais convivem e lecionam nas complexas especialidades a que se dedicam.

Possuímos honestidade suficiente para reconhecer que poderíamos haver contribuído de maneira mais profunda e completa. No entanto, porque nos faltam os valores espirituais e culturais necessários, sentimo-nos feliz, por haver feito o que nos foi solicitado, conforme as possibilidades ao alcance e não aos desejos da mente e do coração.

Outrossim, deixamos para apresentar o nosso Prefácio à Obra, na data evocativa do centésimo nonagésimo quarto aniversário da reencarnação de Allan Kardec, assim homenageando o ínclito Codificador do Espiritismo, e o fazemos em um dos intervalos do 2° Congresso Mundial de Espiritismo, na cidade de Lisboa, em Portugal, pelo alto significado desse magno evento para a humanidade, sendo o último do atual milênio nesse gênero, ao mesmo tempo preparatório para o futuro mundo de regeneração, que todos aguardamos.

Exaltando a Era Nova que se aproxima, repetimos como os cristãos primitivos em referência a Jesus:

— Salve, Allan Kardec, aqueles que te amam e te desejam servir, te homenageiam e saúdam!

 

 

Vianna de Carvalho

 

Mensagem do livro Atualidade do Pensamento Espírita, psicografado pelo médium Divaldo Pereira Franco.

Vianna de Carvalho