Sexo sem amor

Joanna de Ângelis [1]

Esta volúpia tormentosa em que te enlaças, em relação a alguém, levando-te à ansiedade crescente e apaixonada, é desequilíbrio no sentimento, na área da sexualidade.

Essa busca incessante de companhia, em sôfrega inquietação, assinalando as tuas horas com revolta, é desarmonia de conduta no campo do sexo.

As motivações para viver no enleio de pessoas cuja presença te entusiasma, fazendo-te arder em desejos infrenes, é descontrole da emoção que foge para as sensações do anseio sexual.

Isto que te abrasa em sonhos, mesmo quando acordado propiciando-te delírios mentais em relação a outrem, é desgoverno de direção da libido mal canalizada.

Isso que te amargura, por ver os indivíduos em parcerias, enquanto carpes solidão, num mar de desejos mal sopitados, são frustração e mágoa do sexo mal conduzido.

A paixão exasperadora que não se submete às regras do bom senso nem da sanidade, leva às últimas consequências o comportamento sexual que assinala a alma com feridas Iaceradoras.

Os prazeres do sexo passam rápidos, em face da sua exorbitante insaciabilidade.

Atenazam a mente, exaurem o corpo, aturdem o sentimento, deperecem a vida, sombreando de melancolia as horas de soledade e cansaço.

Só o amor conduz com segurança o sexo a serviço da vida.

 

* * *

 

Examina os que tombaram nas armadilhas do sexo sem amor.

Vê-los-ás exibindo júbilos que perderam ansiosos, por experiências novas, submetidos a toda sorte de ocorrências...

Envelhecidos prematuramente, tornam-se fulgurantes à noite, no submundo do vício, escondendo, durante o dia, os sinais da decadência.

Vendendo ou comprando ilusões, transitam de mão em mão até a exaustão ou ao abandono, quando se consomem, para esquecer a desdita, nos alcoólicos ou nas drogas destruidoras.

Enquanto são jovens as suas carnes, fazem-se objeto de prazeres, frustrando-se em cada tentativa e mais atirando-se aos sonhos mentirosos em vãs esperanças de reconforto e plenitude.

Logo se tornam desgastados intentam recuperar as aspirações sob os estimulantes das perversões.

* * *

Há mães que vendem o corpo sem amor, porque têm frágeis filhinhos a sustentar e não sabem como recuperar-se, ou não conseguem evadir-se das armadilhas em que tombaram.

Há jovens sorridentes no mercado sexual, sorrindo para venderem produtos, com lágrimas que as luzes queimam e tudo dariam por um pouco de amor que não obtêm.

Há exploradores do sexo, que se locupletam na ignorância e na ingenuidade dos que sonham com felicidade através dele, tornando-se escravos da impiedade.

Não censures a ninguém, especialmente aqueles que se fizeram vítimas pelo sexo.

Sê gentil com eles.

Ignoras quantos indivíduos são infelizes nos campeonatos do sexo, na promiscuidade sexual, no luxo do comércio das fontes genésicas.

...E como se não bastassem as tórridas aflições em que se veem envolvidos, nem mesmo a desencarnação os liberta porquanto no desregramento a que se entregam, fazem-se instrumento de Entidades viciosas que deles se utilizam, prosseguindo no infeliz intercurso além da noite do corpo.

* * *

O amor por que sofres e que anelas, te aguarda.

Se o não encontraste ainda, tem paciência.

Não te comprometas com o sexo. a fim de não perderes o afeto de plenitude que te apaziguará.

Se demora de oferecer-te repouso e satisfação, espera-te depois do corpo.

Sem ele resgatas o mau uso que fizeste, quando o tinhas contigo.

Canaliza as tuas forças afetivas para outrem que tem carência.

Ama sem a utilização do sexo, superando-te por amor.

O bem que lhes faças, amando-os, a ti fará bem.

Serão as tuas sementes hoje lançadas ao solo para a colheita de amanhã.

E quando te sentires triste, na soledade, não tombes em depressão, recordando-te de Jesus, o Amor não amado que se deu e continua doando-se em nome do amor de Nosso Pai.

Roma, Itália, 13.11.1983

 

(Mensagem do livro Seara do Bem, psicografado pelo médium Divaldo Pereira Franco)

Associação Espírita Obreiros do Bem  |  São Carlos - SP  |  obreiros.bem@gmail.com  |  (16) 3368-5636

© 2017 Departamento de Comunicação Social Espírita

Sede atual (São Carlos - SP)

Fundada em 16/01/26